Mãe, tenho um colega diferente na escola

Se o seu filho te conta que tem um colega diferente na escola, pode ser que esteja começando a perceber as diferenças que o universo das deficiências supõe. E então, vale a pena ensiná-lo a lidar com essas diferenças? Neste post, saiba mais sobre o que os pesquisadores chamam de “A Vantagem da Empatia”. Post com participação especial em vídeo da super Mater Plus Simone Jung. 


 

Seu filho chega em casa e fala:

 

一 Mãe, tenho um colega diferente na escola.

 

O que você responde? O que você pensa a respeito?

 

Podem ser muitos os motivos que levam sua criança a considerar o coleguinha “diferente”. Talvez seja porque o amigo não fala, não ouve bem, precisa de ajuda para se locomover ou entender a tarefa que a professora passou. Sim, talvez seja porque o amigo tem alguma deficiência 一 e isso tem mais a ver com sua vida do que você imagina.

 

A Vantagem da Empatia

 

Se a sua criança tem um desenvolvimento perfeitamente saudável, pode ser que você nunca tenha pensado muito sobre o universo das crianças especiais. Talvez desconheça suas peculiaridades, necessidades e limitações 一 e, num primeiro momento, é compreensível que seja assim. Afinal, ninguém nasce sabendo e mesmo as mães e pais especiais passam a aprender tudo isso na prática.

 

A grande diferença, no entanto, das mães e pais mais antenados está em como ensinam sobre EMPATIA aos seus filhos. Esse ensinamento, dado primeiramente em casa, tem grande efeito na vida de crianças especiais na escola e outros ambientes. Mas…você sabia que ensinar seu filho a conviver com as deficiências, com empatia, pode ser uma grande vantagem também para ele mesmo?

 

Essa é a tese do livro Unselfie (publicado em 2016 nos EUA), da psicóloga, educadora e palestrante Michele Borba. Segundo a autora, estudos recentes revelam que crianças que praticam a empatia são mais saudáveis, mais felizes e mais bem-sucedidas que seus colegas mais “egoístas”. É o que os pesquisadores chamaram “Vantagem da Empatia”.

 

Como ensinar empatia para as crianças?

 

O que significa, na prática, ensinar a empatia para as crianças?

 

Significa, entre outras possibilidades, fomentar o conhecimento (mesmo que seja muito básico) sobre as necessidades especiais das crianças com quem seu filho convive.

Atualmente há materiais bons, simples e acessíveis que podem ajudar nesta tarefa, como o curta-metragem “Cordas” (link)

 

Outra opção é conversar com a família do colega de seu filho, se possível. Isso pode ajudar muito, até para que as crianças não cresçam com a ideia de que as deficiências são um tabu.

 

Ano passado, o pai de um coleguinha do Paulo veio conversar algumas vezes comigo e com meu marido na saída da escola. Certo dia, nos contou que seu filho chegou em casa contando-lhe que “o Paulo não falava”. O pai tratou o assunto com naturalidade e respondeu:

 

一 Então você precisa ajudá-lo quando ele precisar.

 

De fato, este coleguinha ajudava bastante o Paulo em sala de aula.

 

Empatia também para adultos

 

É claro que empatia não é algo somente para as crianças. Aliás, dificilmente um pai ou uma mãe conseguirá falar com propriedade sobre isso com seus filhos se não viver esta qualidade.

 

Pensando na importância da conscientização do público em geral sobre o universo das deficiências, a Simone Jung, uma das incríveis mães que acompanham o Mater Plus, sugeriu fazer um vídeo sobre o tema. Topei na hora, é claro!

 

Simone é mãe de dois meninos, sendo que o mais velho, de 4 anos, tem autismo. No vídeo, ela conta um pouco de sua experiência e das características que crianças com autismo podem apresentar.

 

Assista ao vídeo abaixo e deixe seu comentário 😉 Vamos falar mais de empatia. Quanto mais conhecimento, menos tabu na vida de nossos filhos 一 e na nossa.

 

4 thoughts on “Mãe, tenho um colega diferente na escola

  1. Parabens a essas super mães especiais, pelo texto, pelo video, pela coragem em compartilhar seus conhecimentos e ajudarem outras pessoas.

Queremos ouvir sua opinião ;-)